terça-feira, 21 de março de 2017

Série: "O Ministério da Cruz" - A TRANSFIGURAÇÃO



Texto base: Mateus 17: 1 a 9

João 1: 1 e 14  - “No princípio era a Palavra, e a Palavra estava com Deus, e a Palavra era Deus... E a Palavra se fez carne e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade, e vimos a sua glória, glória como do unigênito do Pai.’

Jesus é Deus, e Jesus sempre existiu, no mesmo texto João declara que: “sem Ele, nada do que foi feito se fez”.

Jesus aparece para Josué, diante de Jericó com uma espada desembainhada na mão. Ele aparece para Manoá pai de Sansão e lhe promete um filho; Ele aparece para Gideão e dele recebe adoração; Moisés faz O Tabernáculo segundo a revelação que Ele tem de Jesus, cada detalhe tenta reproduzir a visão que Moisés teve do SENHOR.

Daniel o vê e cai como morto diante Dele, mas, é fortalecido sendo chamado por Ele de “Muito amado”. Em todas estas situações narradas na Biblia em que claramente Jesus aparece, ele não é chamado de Yeshua, que seria o seu nome, quando foi concebido no ventre de uma das virgens de Israel. A Bíblia algumas vezes cita a expressão “Anjo do SENHOR” (MALACH ADONAI), ou seja, um O Enviado de Deus, mas, diferentemente de outras situações, quando anjos realmente aparecem para trazerem mensagens a servos de Deus, Jesus, quando manifesta-se RECEBE ADORAÇÃO, É DESCRITO mesmo antes dele nascer, como depois de sua Morte e Ressurreição, de forma semelhante, ou seja: O mesmo, por exemplo, que Moisés e Daniel (que viveram antes de Jesus nascer), é o que Paulo e João descrevem, ao verem Jesus Glorificado.

De todas as profecias, o Sinal mais extraordinário era que:  “Virgem conceberia”, pois no momento mais importante da história do ser humano, quando seu destino foi decidido e a Salvação alcançou os seres humanos, Jesus, a Palavra que estava com Deus e era Deus, se fez carne, tomou forma humana, veio a este mundo, e foi visto e recebido por seus pais: José e Maria; por Pastores de ovelhas que vieram adorá-lo; por Magos do Oriente que viram a sua estrela e vieram também lhe prestar culto. Os anjos, vendo o desprendimento do Criador de Tudo, manifestar-se por amor dos homens como um bebezinho indefeso, não suportaram ver tamanho amor, foi demais para eles e então os anjos cantaram: “Glória a Deus, nas alturas e Paz na Terra aos homens a quem Deus deseja o bem”.

Jesus como todos os seres humanos cresceu, tornou-se um jovem e depois adulto, aos 30 anos deixou sua casa e família para dar início ao seu Ministério e para tomar o nosso lugar na Morte, para que pudéssemos receber O Seu lugar na Vida.

Todas as pessoas que conviveram com Jesus, alguns tornaram-se seus parentes: mãe, irmãos, primos, tios, amigos, o viram crescer, comer, ir e vir, alguns assistiram a sua morte e o viram ressurreto, ainda com um corpo semelhante ao que teve quando viveu neste mundo por 33 anos e meio, mas, veja como João o descreve glorificado:

Ap. 1: 12 a 18 – “Voltei-me para ver quem falava comigo e, voltado, vi sete castiçais de ouro e, no meio dos castiçais, um semelhante a filho de homem, vestido com uma túnica e também, à altura do peito, com uma cinta de ouro. A sua cabeça e cabelos eram brancos como alva lã, como neve; os olhos, como chama de fogo; os pés, semelhantes ao bronze polido, como que refinado numa fornalha; a voz, como voz de muitas águas. Tinha na mão direita sete estrelas, e da boca saía-lhe uma afiada espada de dois gumes. O seu rosto brilhava como o sol na sua força. Quando o vi, caí a seus pés como morto. Porém ele pôs sobre mim a mão direita, dizendo: Não temas; eu sou o primeiro e o último e aquele que vive; estive morto, mas eis que estou vivo pelos séculos dos séculos e tenho as chaves da morte e do inferno.”

João, o discípulo amado, o mesmo que deitou sobre o peito de Jesus, na noite em que Judas o traiu, não o reconheceu, vivendo tão perto dele por todos aqueles anos do discipulado, porque?

Porque Jesus, tomara a Glória que tinha deixado diante do Pai, para vir a este mundo viver uma vida de Santidade e para se entregar por nossos pecados para que a nossa condenação caísse sobre Ele.

A TRANSFIGURAÇÃO

Ocorreu que durante o seu ministério, logo depois da grande declaração que Pedro lhe faz, reconhecendo pelo Espirito Santo que Ele era o Messias, Jesus passou a contar repetidas vezes aos seus discípulos que Ele tinha de seguir para Jerusalém, e que lá sofreria coisas terríveis, nas mãos dos sacerdotes, dos religiosos, e das autoridades. Jesus com todas as letras disse a seus discípulos mais de uma vez, que iria morrer, e que ficaria morto, por três dias, mas, depois ressuscitaria.

Seus discípulos não entendiam o que estas coisas queriam dizer, talvez eles achassem que fosse mais uma das parábolas de Jesus, algo em sentido figurado. Mas, logo em seguida, que Jesus foi reconhecido por um de seus discípulos como O Messias, O Mestre toma três de seus discípulos mais chegados e sobe até um Alto Monte.

Pedro e os irmãos Tiago e João, que subiram com Jesus até aquele lugar, de repente presenciam algo glorioso demais! Jesus transformou-se diante dos olhos deles, a apareceu a ambos GLORIFICADO!

Mais surpreendentemente ainda, aparecem com Jesus neste momento duas pessoas (que não estavam lá), Moisés e Elias. Um que recebeu as Leis de Deus e escreveu os primeiros 5 livros da Bíblia, e o outro que foi o símbolo de todo o ministério profético, ali diante dos olhos deles.

O Antigo Testamento se encerra, com uma palavra do Profeta Malaquias, justamente falando sobre Moisés e Elias, e prometendo que Elias viria e converteria o coração dos pais aos filhos e dos filhos aos pais.

Aparentemente os discípulos de Jesus já tinham visto de tudo: Mortos ressuscitarem, leprosos sendo purificados, cegos vendo, pessoas endemoninhadas sendo libertas, Jesus andando sobre as águas, mas, isso? Pessoas que viveram séculos atrás, ali diante de seus olhos, conversando com Jesus, e O Mestre que brilhava mais do que o Sol ao meio dia? Isso foi uma surpresa para eles...

Porque isso ocorreu e que lição tiramos disso?

Jesus veio a este mundo para mostrar que é possível servir a Deus e viver em Santidade para Ele por toda a vida. Coisa que para nós é impossível hoje, porque recebemos de nossos pais desde Adão esta terrível maldade que está em nosso DNA, o Pecado. Porém assim como O Mal gerou esta destruição em nós, Jesus através de Sua Palavra e do Seu Espírito, gerou nas pessoas que o recebem em seu coração uma nova vida, e então tais pessoas adquirem uma condição que os outros seres humanos não possuem: 1o Ser perdoado de seus pecados; 2o Viver em comunhão com Deus através do Espírito Santo que vai nos conduzir nesta vida que Jesus conquistou para nós, na Cruz do Calvário.

Portanto, todas as Leis que falavam do que o homem podia ou não podia fazer, toda aquela infindável lista com letras pequenas, de como se deve ou não se deve proceder, ao todo 613 mandamentos, Jesus veio a este mundo para cumprir. E Ele não vivia com uma listinha, como se fosse um Guia de Viagens na mão de um Turista, que parece mais perdido com o Guia do que sem ele... Jesus vivia em comunhão com O Pai, pelo Espírito Santo e por isso vivia para Deus. Ele não apenas cumpriu a Lei, pelo contrário toda a Lei apontava para a Sua vida de retidão diante de Deus. Moisés que recebeu as Leis de Deus no deserto, representava todo este sistema legal, impossível para os homens cumprir, coisa que deixava mais clara ainda a cada nova geração que não havia solução para o ser humano, até Jesus vir a este mundo.

Elias, já representava todos os profetas e o Ministério Profético, que desde a primeira profecia Bíblica apontava para o propósito da vinda de Jesus a este mundo: “Porei inimizade entre ti e a mulher, entre a tua descendência e o seu descendente. Este te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar.”- Gen. 3:15

Pensem um pouquinho na cena!

Eles já tinham visto tanta coisa maravilhosa com Jesus, mas, agora ali... Diante de seus olhos: Moisés e Elias, isso era demais!!!!!

Pedro sugere que se pudessem fazer três cabanas, uma para Jesus, outra para Elias e outra para Moisés ali naquele Alto Monte, mas, nesta hora O Pai bradou do Céu, do meio de uma Nuvem Luminosa, (chamamos isso de SHECHINAH), A Nuvem da Glória de Deus: “Este é o meu Filho amado, em quem tenho prazer; A Ele ouvi”

Imaginem o temor que eles devem ter sentido... Logo depois Jesus foi até eles e lhes disse: - “Não tenham medo!”, e novamente o Mestre estava sozinho e com a aparência normal como eles o conheciam.

Moisés e Elias não falaram com eles, não disseram nada a eles que pudesse ser registrado. Eles apenas falaram com Jesus. Eles certamente fortaleceram O SENHOR, já que o ministério de ambos apontavam para o seu Glorioso Senhor que viera a este mundo em carne, por amor aos filhos dos homens.

O que o Pai bradou, fazendo Pedro se calar, e gerando tanto temor nos outros, é que Moisés e Elias, toda a Lei e todos os Profetas falaram apenas de uma pessoa a saber: O Glorioso Messias de Israel!

O que Ele veio fazer neste mundo, a obra que realizou curando pessoas, restaurando vidas, realizando milagres e mais do que isso, indo até a morte sofrida e maldita da Cruz, por amor de nós, é o que precisamos enxergar e precisamos trazer para a nossa realidade hoje. Veja o que o autor de hebreus fala sobre isso:

Heb.: 1: 1 a 4 – “Havendo Deus, outrora, falado, muitas vezes e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, nestes últimos dias, nos falou pelo Filho, a quem constituiu herdeiro de todas as coisas, pelo qual também fez o universo. Ele, que é o resplendor da glória e a expressão exata do seu Ser, sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder, depois de ter feito a purificação dos pecados, assentou-se à direita da Majestade, nas alturas, tendo-se tornado tão superior aos anjos quanto herdou mais excelente nome do que eles.

Toda a Palavra de Deus, fala de uma só pessoa, a saber: Jesus, O Messias Glorioso de Israel. Toda a Lei, todas as Profecias apontam para sua Vida e para O Amor de Deus por nós, que manifestou-se em tudo o que lhe foi apontado como caminho a seguir. Hoje Jesus ressuscitou dentre os mortos e novamente está à Direita do Pai nas maiores alturas, e Ele é quem devemos seguir!

Jesus é O Caminho, A Verdade e A Vida e ninguém vai ao Pai (a Deus), se não por intermédio Dele. O fascínio por líderes, ou por doutrinas e práticas religiosas, não tem poder para salvar ninguém. Mesmo o que poderia parecer bom que é seguir grandes líderes do povo de Deus, pode tornar-se um laço para a nossa vida, porque todos os verdadeiros servos de Deus só fizeram uma coisa em suas vidas: Apontaram para Ele, o Autor e Consumador da nossa Fé.

Portanto neste caminho que Jesus nos apontou: “Negue-se a si mesmo, tome sua cruz e me siga!” – Precisa ficar claro para cada um de nós, que não é uma opção, é a única escolha.

Todo o mais que pudermos fazer, valorizar, dar importância, será calado pelo Pai cujo som de sua Voz pode ainda ser ouvido aqui...

”ESTE É O MEU FILHO AMADO, EM QUEM TENHO PRAZER! A ELE OUVI!”


Ministério Pastoral,

Igreja Apostólica Betlehem

terça-feira, 14 de março de 2017

Série: "O Ministério da Cruz" - TOME A SUA CRUZ



Base de textos: Mt. 16: 13 a 23 e Mc. 8: 31 a 38

Marcos 8: 34 – “Então ele chamou a multidão e os discípulos e disse: “Quem quiser vir após Mim, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me”

No pé do Monte Hermon, de onde nasce uma das Fontes do Rio Jordão, cidade de Cesaréia de Felipe, Jesus e seus discípulos passam em frente a um verdadeiro Panteão de deuses gregos romanos, de alguns templos e nichos contruídos, encravados na Montanha e bem ali, Jesus escolheu para fazer a pergunta mais importante de todas: “E para você, quem eu sou?”

Pedro, pelo Espírito Santo responde, que ele entendia que Jesus verdadeiramente era o Messias, aquele a quem todos esperavam. Isso foi maravilhoso, pois só Deus mesmo pode revelar isso a uma pessoa através do Espírito Santo, e Pedro, o primeiro que teve tal convicção, torna-se um marco para todos nós. Assim como Jesus disse a ele que lhe dava as “chaves do Reino dos Céus”, também nós a recebemos pelo mesmo Espírito que tem revelado a nós, quem Cristo é.

Porém, esta revelação tão grande não é tudo!

Ter ideia de quem Jesus é não implica em obedecermos a Ele, nem tomar uma posição em nossa vida segundo O Plano de Deus para nós. Até os demônios sabiam quem era Jesus, veja:

Mar. 1: 23 a 25 – “E estava na sinagoga deles um homem com um espírito imundo, o qual exclamou, dizendo: Ah! Que temos contigo, Jesus Nazareno? Vieste destruir-nos? Bem sei quem és: o Santo de Deus.
E repreendeu-o Jesus, dizendo: Cala-te e sai dele.”

Muitas pessoas creem que existe Deus; creem que Jesus é O Filho de Deus; creem que Ele nasceu neste mundo e que morreu na Cruz e que perdoa pecados. Mas, tomar a Sua Cruz e segui-lo, é um choque tão grande quanto foi para Pedro, quando Jesus disse que precisa sofrer e morrer.

Ainda hoje as pessoas buscam a O Pai e a Jesus, pelos milagres que Deus pode fazer, pela provisão que pode dar, pela Paz e pela direção para uma vida boa. Quando se aproximam de Deus e de sua Palavra, ou quando começam a frequentar locais onde a Bíblia é ensinada, tais pessoas se escandalizam e acham que não pode ser isso, pois, não entendem que Deus só precisou enviar a Jesus Cristo neste Mundo, pois o Mundo está cada vez acelerando mais em direção a um precipício.

Estava tudo tão bom em viver com Jesus, em andar com Ele, vendo milagres, e as multidões que cada vez mais se achegavam. Pedro, como um judeu que esperava o Messias, tinha expectativas, claro de como seria quando o Messias viesse. Mas, agora Pedro passou a reconhecer que Jesus era este que viria para libertar o povo do Cativeiro... Mas, ele não entendia como!

Talvez Pedro pensasse, já que passou a crer e compreender que Jesus era o Messias, que talvez ele pudesse ser algo como um Ministro do futuro Rei de Israel, e que teria muita honra, e que viveria num palácio... Mas, de repente Jesus diz que tem de ir para Jerusalém e que sofreria muito nas mãos dos sacerdotes e dos escribas, e que ainda mais, teria que ser crucificado e morrer, ressuscitando depois de três dias.... Pedro não deve nem ter escutado “Ressurreição”. Como assim sofrer e morrer?

Quando somos atraídos a Deus, sua Misericórdia geralmente encontra conosco em dores, em necessidades, em tristezas, em mágoas, em enfermidades, e a esperança surge com curas, provisão, restauração, perdão, e isso é claro que é maravilhoso, mas, a raíz do problema é que nós nos afastamos de Deus, e esta foi a causa de todo mal que nos adveio.

Estar bem, curados, supridos, em paz, não é tudo, porque outras lutas virão! Percebemos que esta vida de algumas décadas que temos neste mundo, está irremediavelmente presa por conta do pecado, e da sua mais nefasta consequência que é a morte; além das dores, e tudo o mais que já experimentamos antes de conhecer a Jesus Cristo, sem, no entanto, ter esperança.

Não se choque ao ver Pedro, num minuto dizendo: “Tu és o Cristo, o Filho do Deus Vivo”, para no momento seguinte ser usado por Satanás, tentando dissuadir Jesus do seu Caminho. Isso acontece conosco todo tempo! Dizemos domingo com os olhos cheios de lágrimas: “Jesus, Tu és O Meu Senhor”, mas, horas depois, pensamos: “Ah, Deus não vai se importar com isso?”

Pedro não estava possuído por Satanás. Jesus chama Pedro de Satanás! Porque a atitude dele de querer pensar mais nas coisas dos homens, do que no Propósito, nos Planos, no Desenho, na Direção de Deus, é o que Satanás, mais espera de nós, servos do Deus Altíssimo.

Satanás, não sabia que crucificando Jesus, estava cumprindo O Plano de Deus.

  I Cor. 2: 7 a 9 – “mas falamos a sabedoria de Deus em mistério, outrora oculta, a qual Deus preordenou desde a eternidade para a nossa glória; sabedoria essa que nenhum dos poderosos deste século conheceu; porque, se a tivessem conhecido, jamais teriam crucificado o Senhor da glória; mas, como está escrito: Nem olhos viram, nem ouvidos ouviram, nem jamais penetrou em coração humano o que Deus tem preparado para aqueles que o amam.”

O Pecado que habita em nós, a peçonha mortal que Satanás inoculou nos seres humanos, quando os enganou, de que seriam como Deus através do Pecado, nos faz ainda hoje preferir a nossa vida sem Deus, o nosso “bem estar”, a nossa alto-preservação não obstante a Vontade de Deus.

NÃO PENSAR NAS COISAS DE DEUS, MAS,
PENSAR NAS COISAS DOS HOMENS. – estratégia de Satanás –

Você é assim? Negue-se a si mesmo!

O que implica esta decisão? Quer dizer que para ser de Deus, tenho que fazer algo mais do que me batizar, entregar dízimos e ir nos cultos de domingo?

O que Jesus quis dizer com: “Tome a Sua Cruz e me siga.”?

Ele não morreu por meus pecados, para que eu pudesse continuar pecando e fosse pro Céu mesmo assim?
Ele não sofreu terrivelmente para que eu não precisasse mais sofrer?
Ele não se fez pobre para que eu pudesse ser rico?
Ele não foi para o Inferno para que eu pudesse ir para o Céu?

Se Ele sofreu por mim, porque eu preciso sofrer?
Se Ele pagou meus pecados, porque tenho que ficar lutando contra o pecado?

O que quer dizer “Pois quem quiser salvar a sua vida, a perderá; mas, quem perder a sua vida por minha causa, este a salvará”?

Ministério Pastoral,

Igreja Apostólica Betlehem